???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/11744
Tipo do documento: Tese
Título: As influências celestes e a Revolução Científica: a astrologia em debate na Inglaterra do século VII
Título(s) alternativo(s): Celestial influences and the Scientific Revolution: astrology under discussion in seventeenth century England
Autor: Ferreira, Juliana Mesquita Hidalgo 
Primeiro orientador: Martins, Roberto de Andrade
Resumo: Na filosofia da ciência, os estudos sobre a Revolução Científica geralmente se concentram sobre áreas como a física e a astronomia, e verificam a existência de uma nova racionalidade. Nesta tese propusemos estender esses estudos para outras áreas, olhando como a situação se descortinava do ponto de vista da astrologia. Embora fosse longa a tradição de questionamentos à astrologia, a aceitação da existência de influências celestes era praticamente unânime no início do século XVII. Durante este século, a astrologia se popularizou na Inglaterra com a publicação de grande volume de trabalhos em linguagem vernacular. Os almanaques se tornaram sucesso de venda. A astrologia, no entanto, parecia perder prestígio no meio intelectual. Este curioso processo coincidiu com o estabelecimento e a fundação da Royal Society e a consolidação de uma nova astronomia . Eram recentes várias descobertas astronômicas importantes e nessa época também começaram a ser aceitas com mais intensidade as idéias de Copérnico. Esta pesquisa propôs investigar justamente essa situação peculiar da astrologia no contexto científico, filosófico, cultural e religioso da Inglaterra do século XVII. Uma nova realidade se mostrava à astrologia: popularização e, ao mesmo tempo, perda de prestígio no mundo intelectual. Embora o contexto histórico no qual a astrologia inglesa se desenvolvia fosse formado por esses ingredientes que poderiam, e muito, em princípio, colaborar para que ela fosse ainda mais questionada, verificamos que os argumentos contrários à astrologia continuaram a ser essencialmente os tradicionais. Pouca ou nenhuma discussão foi motivada pelas novas idéias e descobertas da astronomia. A Royal Society não se dedicou a estudar a astrologia nem ao menos com a intenção de refutá-la. E os astrólogos que na época propuseram reformas para a astrologia estavam essencialmente preocupados com dificuldades internas de sua área, e não exatamente reagiam a pressões externas
Abstract: When philosophers of science refer to the Scientific Revolution, they usually deal with fields such as physics and astronomy, and describe the rise of a new form of rationality. This thesis suggests that those studies be extended to other areas, and presents how the seventeenth century unfolded, from the point of view of astrology. Although there was a long standing tradition of criticism concerning astrology, the acceptance of celestial influences was close to unanimous, in the early seventeenth century. During that century, astrology became popular in England, with the publication of a large amount of works in vernacular. Almanacs became best-sellers. Astrology, however, seemed to loose its prestige in the intellectual milieu. This curious process coincided with the foundation and establishment of the Royal Society and the consolidation of a new astronomy . There were many important recent observational astronomical discoveries, and in that period Copernicus ideas also began to receive a wider acceptance. This research investigates the peculiar situation of astrology in the scientific, cultural, philosophical and religious context of seventeenth century England, when astrology faced a new reality: it was widely popular and, at the same time, was loosing its prestige in the academic world. The historical context in which British astrology developed contained several new ingredients that could, in principle, strongly collaborate in leading to its questioning. However, it was found that the arguments used against astrology in that period were essentially the traditional ones. There was scarcely any discussion motivated by the new astronomical ideas and discoveries. The Royal Society did neither attempt to study astrology, nor to refute it. The astrologers who proposed astrological reforms , at that time, were usually concerned with internal difficulties found in their subject and were not reacting to external pressures
Palavras-chave: Astrologia
Astronomia
Astrology
Astronomy
Astrologia -- História -- Inglaterra -- Século 17
Ciência e astrologia
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::HISTORIA::HISTORIA DAS CIENCIAS
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Filosofia
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Filosofia
Citação: Ferreira, Juliana Mesquita Hidalgo.As influências celestes e a Revolução Científica: a astrologia em debate na Inglaterra do século VII. 2005. 448 f. Tese (Doutorado em Filosofia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/11744
Data de defesa: 11-May-2005
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Juliana-Mesquita-Hidalgo-Ferreira-DR.pdf15,7 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.