???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/12397
Tipo do documento: Dissertação
Título: Velhices na surdez contemporânea
Autor: Spadafora, Simone 
Primeiro orientador: Côrte, Beltrina
Resumo: O presente estudo bibliográfico pretende mostrar que a velhice, definida pela fala externa ao sujeito, tem sido representada por meio de identidades estigmatizadas, incapacitantes e patologizadas, restringindo e impedindo a escuta das singularidades e diversidades humanas em suas plurais formas de envelhecer. A velhice tem sido escutada pelas partes, através de um enfoque apenas biológico. Serão trazidas vozes de velhos, também de velhos surdos, a maioria obtida ao pé de macas de acupuntura, que contam um pouco do sofrimento causado pela falta de escuta, restringindo sua saúde, sua totalidade e integridade. Também traremos suas dores, a pior delas parece ter sido a perda - ou a ausência - da voz. Autores como Balandier, Sennett, Bauman, Morin, Augé, Sacks, Granet, Biase, Yamamura, entre outros, contribuirão para as reflexões sobre a forma pela qual a velhice vem sendo definida. Com eles apresentamos o contemporâneo, a aceleração do tempo e da informação, produtividade. Abordaremos a homogeneização, a ordem, mas convidamos ao movimento e oferecemos uma oportunidade, dentro da desordem fértil e criativa, para a escrita de novas histórias. Este movimento, ou desordem, grita para que escutemos outras formas de vida, além daquelas já conhecidas, fixadas, como também normais . Partindo de escutas particulares faremos uma viagem pelo universal. O que escutas clínicas individualizadas ( partes ) traduzem do tempo contemporâneo ( todo )? A doença social da exclusão é um mal instalado, causado pela homogeneização, pela padronização, pela normatização, pela ordem imposta que restringe lugares, exclui as diferenças, patologiza o desconhecido. A vida saudável da sociedade não parece estar na linearidade, que não se mostra mais possível. Este não é um estudo diagnóstico, pois não serão trazidos dados estatísticos, apenas um diálogo desacelerado sobre um tema: velhices que não costumam encontrar escuta. As velhices serão apresentadas pelo pseudônimo Adhara, que significa base, sustentação, também uma estrela cujo brilho corresponde ao reflexo do brilho de outra estrela. Independentemente de qual seja a estrela brilhante e a refletida, o brilho do encontro das relações humanizadas deve ser destacado. Um tempo para ampliar a percepção do outro para além das suas partes, partindo-se do pressuposto que a exclusão não é uma condição exclusiva da população idosa, nem surda. Aí está toda a alteridade que, pela falta de sensibilidade e acolhimento não foi ouvida. Na experiência do diálogo é que se constroem os tecidos sociais. Entretanto, para chegar ao diálogo é necessário que haja outro olhar em relação à velhice, ao velho, ao velho com deficiência, um novo tecido social precisa ser criado
Abstract: The following bibliographic study intends to demonstrate how elderliness, defined by the external converse of the subject, has been represented through stigmatized, incapacitating and pathologized identities, disabling and obstructing the act of listening to and perceiving human singularities and diversities in its various forms of growing old. Elderlies have been heard by parties, solely through a biological approach. Elderly voices will be taken into account as well as that of the elderly deaf. The majority of the input was obtained during acupuncture sessions, and these relate the suffering that the lack of being listened to has caused, inhibiting their health, entirety, and integrity. We will also address their pain, the most outstanding of these being the loss of, or the absence of voice. Authors such as Balandier, Sennett, Bauman, Morin, Augé, Sacks, Granet, Biase, Yamamura, among others, will contribute to the reflection on the matter in which the elderly have been defined. Alongside these we present the contemporary, the acceleration of time and information, as well as productivity. We approach homogenization, order, at the same time soliciting activity, offering an opportunity amidst this fertile and creative disorder for the development of new perspectives. This activity, or disorder, highlights the need to tune into new life forms beyond the known, stated, or considered normal . From within these private audiences we will take an all-inclusive trip. How do these individual ( parts ) clinical hearings interpret the contemporary ( whole )? The social sickness of exclusion is a deep rooted evil caused by homogenization, standardization, and normalization, caused by the imposed order that restricts locations, excludes differences, and pathologizes the unknown. The healthy life of society does not seem to be in linearity, which does not appear to remain attainable. This is not a diagnostic review, since it does not include statistic data; it is only a paced dialog concerning a topic, that is, old people who are rarely listened to. The elderly are presented by the pseudonym Adhara, which means base, support, as well as a star whose brightness reflects that of another star. Independent of which star shines and which one reflects, the brightness that is found in human relations is what should be highlighted. One must take time to broaden their understanding of the other, beyond its own scope, assuming that exclusion is not an exclusive condition for the elderly or the deaf. Within this lies the alterity that has not been heard, for a lack of acceptance and sensibility. Society s fabric is woven through the practice of dialoging. However, in order to reach this dialog a new view must be adopted, concerning elderliness, the elder, and the disabled elder. A new social fabric must be created
Palavras-chave: Velhices
Surdez
Contemporaneidade
Voz
Gerontologia
Elderly
Contemporary
Voice
Gerontology
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::SERVICO SOCIAL
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Gerontologia
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Gerontologia
Citação: Spadafora, Simone. Velhices na surdez contemporânea. 2012. 89 f. Dissertação (Mestrado em Gerontologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/12397
Data de defesa: 30-Mar-2012
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Gerontologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Simone Spadafora.pdf1,33 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.