???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/15442
Tipo do documento: Tese
Título: A violência entre nós
Autor: Winter, Celia Aparecida Ferreira Carta 
Primeiro orientador: Mezan, Renato
Resumo: A violência, na esfera da família, da escola, das instituições, evidencia uma crise de autoridade. Esta é resultado de uma mudança iniciada há pelo menos dois séculos com a introdução política da democracia e de uma ética fundada nos ideais de igualdade, liberdade e fraternidade que produziram novos modos de subjetivação. Diferencia-se violência como inter-humana e a agressividade: castração, nascimento do sujeito. A modernidade anunciou o abalo no simbólico e a pluralização do Nome do Pai. A violência não é apenas a do outro, mas própria de cada um de nós. Na época do declínio do pai, nos resta prescindir deste, desde que possamos nos servir dele. A ciência avança, a violência aparece e a Lei e a psicanálise intervêm, avalizando ou interditando. Nesta tese, o diálogo entre nós é uma forma de servir-se do pai. A metodologia utilizada foi a pesquisa em psicanálise com o método psicanalítico como proposto por Freud e segue sua recomendação e advertência. Apresentam-se recortes retirados da experiência clínica da autora e conceitos psicanalíticos da tradição freudiana lacaniana, como a pulsão de morte, o real, o gozo, a devastação. Todos ligados a uma violência que dilacera, viola, restando a cada um inventar seu próprio saber-fazer com esse real que não pede licença. A experiência clínica é indispensável para uma leitura do tempo atual e seus entraves. A clínica é marcada por traços deste tempo, que reflete o lugar da psicanálise na contemporaneidade. Também pelo sujeito submetido aos imperativos de gozo do supereu próprio do momento atual. Aproxima-se diagnóstico, atividade imprescindível à clínica, à crítica social. Ao utilizar recortes de casos atendidos na clínica, não se propõe que o particular de cada caso seja confundido com o universal de todos os sujeitos. Mas que a psicanálise, no seu fazer, recolhe o saber do um a um e isso nos ensina. Não só à Psicanálise, mas também ensina ao Direito, à Medicina, e à sociedade em geral, o que implica um avançar junto
Abstract: The violence, in the sphere of family, school, the institutions, make known a crisis of authority. And this is a result as a change started from at least two centuries ago with an introduction politic of democracy and ethics bases at ideals of equality, liberty and fraternity that produced new ways of subjectivity. The differences of violence as interhuman and aggressiveness: castration, birth of subject. Modernity announced concussion into symbolic and the pluralization of the Father's Name. Violence is not only another, but self of each of us. In the season to the decline of the father, remains to dispense of this, from as we can suit of him. A Science goes on, and appears violence and the Law and also psychoanalysis intervenes, endorsing or interdict. In this thesis, the dialogue between us is a way to serve up the father. The methodology used was research in psychoanalysis and psychoanalytic as a method proposed by Freud and follows your recommendation and warning. It presents clippings taken from the author's clinical experience and also psychoanalytic concepts of Freudian-Lacanian tradition, as a death intention, the true, the pleasure, and devastation. All linked to Violence that lacerate, transgress, leaving each one invent your own know-making that this true do not requested license. Clinical experience is needful as reading a current time and your barriers. The clinic is marked by features of this time that reflects the place of psychoanalysis in nowadays. Also the subject submitted to imperative of pleasure from superego identity of current time. Approaches as a diagnosis, activity really necessary to the clinical action and social criticism. Using pieces of cases seen in clinical activity, not proposes that each private cases could be confused from universal subjects of all. But that psychoanalysis, not in your make, collects the known of each one to one and teaches us. Not only a psychoanalysis, but also teaches the law, the medicine, the society in general what implies that we move together
Palavras-chave: Violência
Pulsão de morte
Gozo
Real
Abalo da função paterna
Violence
Death intention
Pleasure
Real
Concussion in father´s function
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Psicologia
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Clínica
Citação: Winter, Celia Aparecida Ferreira Carta. A violência entre nós. 2015. 169 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/15442
Data de defesa: 16-Sep-2015
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Clínica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Celia Aparecida Ferreira Carta Winter.pdf1,33 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.