???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/17252
Tipo do documento: Dissertação
Título: O fazer artístico como catálise: experiências do corpo e da dança
Autor: Camargo, Mariana Vaz de 
Primeiro orientador: Sawaia, Bader Burihan
Resumo: Nesta pesquisa, reflito sobre a dimensão intensiva do fazer artístico: pareceme que a arte (o estado criativo) pode catalisar e intensificar potências de mudança, abrir zonas de passagem e florescer novas conexões e potências . O sensível que ela produz deve ser diferente daquele que organiza nossa experiência cotidiana; dessa reorganização, transmutação ou metamorfose, sua potência política. Catalisar: termo emprestado da Química com um sentido especial. Catálise existencial-poética é como Guattari denomina o processo de busca por caminhos para novos territórios existências singulares, não serializados. Para dar forma às minhas reflexões, entrevisto os(as) sete intérpretes-criadores(as) de uma companhia de dança-teatro paulistana, a Cia. Nova Dança 4. Interessa-me apreender, através dos vestígios da natureza pulsativa, os movimentos coletivos de apropriação e invenção da vida que favoreçam a produção de existências singulares. Para quê se faz e se consome arte? Que êxtases são esse, os da poesia? Encontro dois caminhos de respostas: o do psicólogo russo Vygotsky (arte como técnica social do sentimento que opera a catarse) e o de Deleuze e Guattari (estética na relação entre formas e forças que pode catalisar a invenção de novos territórios existências). Pelo referencial teórico escolhido, não há como falar de arte sem falar de corpo. Pode-se falar na necessidade de se retomar o corpo naquilo que é mais próprio: corpo poroso, afetado pelos encontros e desencontros no mundo. Talvez algumas experiências da/na dança contemporânea possam inventar e construir corpos abertos a outras forças e intensidades Corpo sem Órgãos. Elementos que emergiram durante a construção dessa teia levaram-me a reflexões de cunho mais sociológico: aspectos institucionais da dança, da formação de grupos artísticos e do ser artista hoje . Também recupero a história da dança no Ocidente e os elementos constitutivos da dança Contato Improvisação (em diálogo com reflexões de Michel Foucault sobre poder/corpo). Para terminar, resgato a concepção de catarse , de Vygotsky, em busca de uma ampliação da noção de catálise. Entendo que a discussão da definição e uso desses dois termos, bem como sua reorganização, pode ampliar seu poder de criação-ação (em especial com o enredar nas artes cênicas em foco)
Abstract: This research (The artistic act as catalysis: experiences in the body and dance) reflects upon the intensive dimension of the artistic act. It seems to me that art (the creative state) can catalyze and intensify potential for change, open up areas of movement and promote new connections and potential . The sensitivity promoted by this act should be different from that organizing our everyday experience; through this reorganization, transmutation or metamorphoses comes its political potential. Catalyze: a term borrowed from Chemistry imbued with a special meaning. Existential-poetic catalysis is how Guattari denominates the process of the search for paths to singular new existential territories, not serialized. To give shape to my reflections I interviewed the seven performers-creators of Cia. Nova Dança 4, a dance-theatre company from São Paulo. I was interested in grasping through the traces of the pulsating nature, the collective movements of the appropriation and invention of life which favour the production of singular existences. Why is art produced and consumed ? What ecstasy is this, that of poetry? I found two responses: the Russian psychologist Vygotsky s (art as a social technique of feelings that operates catharsis) and Deleuze and Guattari s (aesthetics in the relationship between forms and forces that can catalyze the invention of new existential territories). Because of the chosen theoretical framework it is not possible to talk about art without talking about the body and the need to return to it in that which is most singular: the porous body which is affected by encounters and partings in the world. Perhaps some experiences in contemporary dance can invent and construct bodies open to other forces and intensities Body without Organs. Elements that emerged during the construction of this framework led me to reflections of a more sociological nature: the institutional aspects of dance, formation of artistic groups and being an artist today . I also review the history of dance in the West and the principal elements of Contact Improvisation (in dialogue with Michel Foucault s reflections on power/body). Finally, I recover Vygotsky s conception of catharsis with a view to broadening the notion of catalysis. I understand that the discussion of the definition and use of these two terms, as well as their reorganization, can increase their power of creation-action (especially in the draw of the performing arts in question)
Palavras-chave: Psicologia social da arte
Corpo
Catálise
Catarse
Social psychology of art
Body
Dance
Catalysis
Catharsis
Arte -- Psicologia
Corpo humano
Danca
Danca moderna
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA SOCIAL
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social
Citação: Camargo, Mariana Vaz de. O fazer artístico como catálise: experiências do corpo e da dança. 2008. 187 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/17252
Data de defesa: 13-May-2008
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Mariana Vaz de Camargo.pdf890,13 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.