???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/17264
Tipo do documento: Dissertação
Título: Referências críticas na psicologia e novas histórias de loucura: psicologia sócio-histórica e loucura: uma reflexão
Autor: Rosa, Elisa Zaneratto 
Primeiro orientador: Sawaia, Bader Burihan
Resumo: O presente trabalho tem como objetivo analisar criticamente as bases sob as quais se constituiu um conjunto de leituras e práticas sobre a loucura que terminaram por caracterizar sua inscrição no domínio da doença mental e, ao mesmo tempo, o desenvolvimento de formas disciplinadoras e violentas designadas como tratamento. Tal análise crítica sustenta-se nos referenciais da Psicologia Sócio-Histórica, contrapondo às leituras apoiadas em referenciais positivistas e racionalistas dominantes na ciência moderna, a perspectiva ontológica e epistemológica do materialismo dialético e algumas contribuições teóricas da Psicologia Sócio-Histórica. Assim, procuramos resgatar na Psicologia Sócio-Histórica um referencial que está alicerçado em bases diversas que transformou loucura em doença mental e que compartilhando as bases históricas de algumas leituras e práticas que representaram um movimento de ruptura em diversas esferas, inclusive na saúde mental, possa constituir-se como um campo teórico inovador e relevante entre Psicologia e Loucura, construindo uma leitura crítica. A partir de tal orientação, ressaltamos a importância de reconhecer a dimensão histórica constitutiva do objeto em questão, a loucura. Isto implica em reconhecer, ao mesmo tempo, a historicidade das leituras, concepções e perspectivas que lançaram olhar sobre tal fenômeno, superando a naturalização da loucura e de seu estatuto de doença mental. Da mesma forma, analisamos criticamente as perspectivas que dicotomizaram e fragmentaram a realidade, opondo indivíduo x sociedade, subjetividade x objetividade, razão x afetividade, procurando demonstrar a importância de uma leitura que considere a realidade como totalidade e reconheça a mediação entre esses processos na compreensão do fenômeno da loucura. Ainda apontamos a Psicologia Sócio-Histórica de base materialista dialética a possibilidade de uma leitura que, reconhecendo esferas frequentemente ocultadas ou polarizadas, não abandone o sujeito e a dimensão de seu sofrimento a partir da inscrição na realidade sócio-histórica. Finalmente, alertamos a necessidade de superar a perspectiva da ciência neutra pela noção de práxis assumindo o compromisso ético e político das leituras e práticas profissionais produzidas na relação com a loucura. Dentre as primeiras elaborações teóricas da abordagem Sócio-Histórica apontadas nesta reflexão, destacam-se como contribuições para a apreensão da complexidade do fenômeno da loucura: a noção de historicidade da dimensão subjetiva; a idéia de um psiquismo em constante processo de constituição, a partir da inscrição e da atividade do sujeito no universo social: a mediação como categoria fundamental e a concepção de que os processos em geral e, portanto o processo saúde-doença, são multideterminados; a apreensão das funções psicológicas superiores como complexificação das funções psicológicas inferiores pela mediação dos significados; noção de configuração de sentidos; a perspectiva da unidade dialética entre processos psíquicos e fisiológicos; a dialética inclusão-exclusão social; a noção de sofrimento ético-político; o papel das emoções e afetos na constituição do psiquismo e da subjetividade. A organização de tais elaborações ao longo das reflexões acima descritas termina por constituir uma leitura crítica em relação ao campo em debate, que afirma a necessidade de rompermos o paradigma da doença mental, de discutirmos a loucura como processo sócio-historicamente constituído e de reconhecermos, na configuração subjetiva desse processo, uma experiência que tem no sofrimento expressão possível
Abstract: The purpose of this work is to analyze critically the basis on which a group of readings and practice about the madness was built, which ended up by leading to its inscription under,the group of mental diseases and also the development of disciplinary and violent approaches considered to be treatments. Such critical analysis is based on the references of Social-Historical Psychology, contrasting readings supported on the main positivist and rationalist references of the modern sciences, the ontological and epistemological perspective of the dialectic historical materialism and some theoretical contributions of the Theory of the Social-Historical Psychology. Thus, we have tried to rescue within the Social-Historical Psychology a parameter which is grounded on basis different from those that state that madness is a mental disease, and which shares the historical basis of some readings and practices that represent a watershed event amongst diverse areas, including the mental health area, that may constitute a breakthrough and relevant theoretical field in the relation Psychology and Madness, building a critical reading. From this Orientation,we highlight the importance of recognizing the constitutive historical dimension of the subject matter, the madness. This implies ,that one needs to recognize at the same time the historicity of readings, concepts and perspectives that overlook this phenomenon, overcoming the naturalization of madness and its label as a mental disease. The same way, we have analyzed critically the perspectives that dichotomized and fragmented reality, opposing individual x society, subjectivity x objectivity, reason x care,trying to demonstrate the importance of a reading that considers reality as a totality and recognizes the mediation between these processes to comprehend the phenomenon of madness.We still point out in the Social-Historical Psychology of dialectical materialist basis the possibility of a reading that, recognizing frequently hidden or polarized segments, will not abandon the subject and the dimension of their suffering from the inscription in the social-historical reality. Finally, we warn about the necessity of overcoming the perspective ,of the neutral science to use the concept of praxis, assuming the ethical and political commitment of readings and professional practices produced in relation to madness. Amongst the main theoretical developments of the Social-Historical approach highlighted in this reflection, the following may be pointed out as contributions for the acquisition of the complexity of the phenomenon of madness: the concept of historicity of subjective dimension; the idea of a psychism in constant process of constitution,from the inscription and activity of the subject in the social universe; the mediation as a fundamental category and the concept that the processes in general - and therefore the process health-disease - are multi-determined; the apprehension of the superior psychological functions as complexifications of inferior psychological functions through the mediation of meanings;the concept of the configuration of meanings;the perspective of the dialectical unit between psychic and physiological processes; the dialectical social inclusion-exclusion; the idea of ethical-political suffering; the role of the emotions and care in constituting the psychism and the subjectivity. The organization of such developments throughout the, reflections above mentioned constitutes in the end a critical reading about the target field, which claims the need of breaking the paradigm of the mental disease, discussing madness as a process built under the social-historical premises and recognizing within the subjective configuration of this process an experience that has in the suffering a possible expression
Palavras-chave: Loucura -- Historia
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA SOCIAL
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Psicologia
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social
Citação: Rosa, Elisa Zaneratto. Referências críticas na psicologia e novas histórias de loucura: psicologia sócio-histórica e loucura: uma reflexão. 2005. 158 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/17264
Data de defesa: 16-Aug-2005
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
elisa zaneratto rosa.pdf10,34 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.