???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/18783
Tipo do documento: Dissertação
Título: A metafísica do belo e a tragédia em Schopenhauer
Autor: Russo, Allan Cristian Mota
Primeiro orientador: Critelli, Dulce Mara
Resumo: Expomos aqui a filosofia de Schopenhauer, dando destaque à sua Metafísica do Belo, em que demonstramos o indispensável papel do puro sujeito do conhecimento e do gênio na mesma. O mundo ora como vontade, vontade tal que é cega e fonte de sofrimento para todos os seres e sobretudo para o homem, que tem a consciência e experimenta como ninguém a insatisfação, o tédio e o medo da morte. O mundo ora como representação, em que a subjetividade impera, o fenômeno, o “véu de Maia”, em detrimento da objetividade, ou seja, da coisa-em-si. Se o caminho do ascetismo é muito difícil para a grande maioria dos homens, o caminho estético, pela metafísica do belo, é um caminho acessível, em que a contemplação da Ideia nos eleva, mesmo que momentaneamente, dessa miséria que é o mundo, o “pior dos mundos possíveis”. Trata-se de uma filosofia da tragédia, tragédia essa que também é expressão artística, colocada por nosso filósofo como a mais excelsa das artes representativas, já que expõe o lado mais terrível da vida e sugere a negação da vontade, gerando uma edificante empatia entre o espectador e o resignado herói trágico
Abstract: We expose here Schopenhauer’s philosophy, highlighting his Metaphysics of the Beauty, wherein we demonstrate the indispensable role of the pure subject of knowledge and the genius in it. The world sometimes as the will, which is blind and source of suffering for all beings, especially humans, who have conscience and can experience like no one the dissatisfaction, the boredom and the fear of death. The world either as representation, wherein the subjectivity reigns, the phenomenon, the “veil of Maya”, in prejudice of the objectivity, that is, the thing-itself. If the asceticism way is very difficult for the humans' majority, the aesthetic way, the Metaphysics of the Beauty, it’s an affordable way, where the contemplation of Idea rises us up, even momentarily, from the misery that the world is, the “worst of all the possible worlds”. It’s a philosophy of tragedy, a tragedy that is also artistic expression, placed by our philosopher as the most exalted of representative arts, since it exposes the most terrible side of life and suggests the denial of the will, generating and uplifting empathy between the viewer and the tragic hero resigned
Palavras-chave: Metafísica
Belo
Estética
Metaphysics
Beautiful
Aesthetics
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Filosofia
Citação: Russo, Allan Cristian Mota. A metafísica do belo e a tragédia em Schopenhauer. 2016. 100 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Filosofia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/18783
Data de defesa: 16-Mar-2016
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Allan Cristian Mota Russo.pdf953,17 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.