???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/20149
Tipo do documento: Dissertação
Título: A psicologia em Pascal: configurações da insuficiência no homem
Autor: Patitucci, Ana Claudia Ayres 
Primeiro orientador: Ponde, Luiz Felipe
Resumo: A insuficiência designa a concepção antropológica de Blaise Pascal, teólogo, filósofo, matemático e cientista do século XVII. Dentre as múltiplas formas que a insuficiência adquire na existência humana, este trabalho trata da sua manifestação no campo psicológico, com o objetivo de configurar este campo que emerge da antropologia pascaliana, sustentado pelos conceitos de dissolução do Eu, de divertissement e de ennui, aprofundar o conceito de insuficiência, bem como ampliar o diálogo entre psicologia e religião, já que e na história bíblica de Adão que Pascal encontra o significado da relação entre o homem e Deus, da condição humana que se inaugura com a queda, da entrada do mal pelo pecado original que corrompeu de uma vez e para sempre a natureza humana. Assim, e no interior de sua teologia que Pascal constrói sua concepção antropológica: uma antropologia que aponta para o drama existencial, a miséria do homem na sua constante busca pela felicidade, verdade, liberdade, com suas patologias, angústia e morte, ou seja, para a insuficiência humana. Insuficiência que Pascal observa em diversos campos: ontológico, epistemológico, político-social e psicológico. Iluminado pela teologia da graça agostiniana, Pascal atravessa a exterioridade do homem em direção às profundezas da alma, identificando o motor da dinâmica psicológica na falta, no desejo, no amor-próprio, no funcionamento prazer-desprazer. Ele desvela a fragilidade psico1ógica, apontando para urna insuficiência estrutural e para a dinâmica, igualmente insuficiente, já que ela não impede o transtorno afetivo, que dela deriva: o Eu se dissolve na relação entre as duas partes que o compõem- Eu verdadeiro e Eu imaginário. Esta fragilidade da identidade não pode dar conta do sentimento que surge com o ennui, a angústia essencial que significa a própria alma, decorrente da condição existencial humana. Este estado d'alma é insuportável ao homem que, para combate-lo, lança-se na mecânica concupiscente do divertissement, criando uma rede de referências para dar-lhe o apoio que internamente não consegue encontrar. Ao mesmo tempo que essa insuficiência descreve um ser mergulhado na miséria, ela também aponta para o caráter sobrenatural do homem, ou seja, seu telos divino
Abstract: The insufficiency designates the anthropological conception of Blaise Pascal, the philosopher, theologian, mathematician and scientist of the seventeenth century. Among the various modes that the human existence reveals the insufficiency, this essay deals with its manifestation in the psychological field, aiming at configuring this theme emerged from the pascalian anthropology and supported on the concepts of self dissolution, divertissement and ennui, moreover, it has also the purpose of broadening the insufficiency concept and the discussion between Psychology and Religion, as Pascal found in the Adam's biblical history the reference to define the relation between man and God, the human condition established after the fall and the evil appearance caused by the original sin, which corrupted once and for all the human nature. Thus, in the inner part of his theology Pascal elaborates his anthropological conception: the theory appoints to the existential drama, to the human misery in the ceaseless search for happiness, truth, freedom, surrounded by pathologies, agony and death, what means the human insufficiency. Pascal observes the insufficiency through several fields: ontological, epistemological, political-social and psychological. Illuminated by the augustinian grace theology, Pascal goes further on the man's exteriority towards the depths of the soul, identifying so the functioning of the psychological dynamics in circumstances of absence, desire, self-love, and so the functioning of pleasure-displeasure. He displays a psychological fragility, appointing to a structural insufficiency, since it does not prevent from the affective perturbation that it derives: The Self is dissolved during the connection of its own two parts­ the real Self and the imaginary Self. This fragility of the identity cannot tolerate the feeling caused by the ennui, the essential agony which affects the soul, as a result of the human existential condition. This state of the soul is unbearable for the man who, trying to fight against, fall on the divertissement's concupiscent mechanism, making a resource of references in order to obtain some support not found internally. At once this insufficiency describes a being immersed in the misery and it also indicates a supernatural side of the man, what means his divine telos
Palavras-chave: Pascal, Blaise [1623-1662] - Crítica e interpretação
Teologia pascaliana
Ontologia pascaliana
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::SOCIOLOGIA::OUTRAS SOCIOLOGIAS ESPECIFICAS
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Ciências Sociais
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião
Citação: Patitucci, Ana Claudia Ayres. A psicologia em Pascal: configurações da insuficiência no homem. 2002. 124 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Religião) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2002.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/20149
Data de defesa: 10-Jun-2002
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ana Claudia Ayres Patitucci.pdf2,64 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.