REPOSITORIO PUCSP Teses e Dissertações dos Programas de Pós-Graduação da PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/20599
Tipo: Dissertação
Título: A própria vida: efeitos de real e de sinceridade nas autoficções de Julián Fuks e de Karl Ove Knausgård
Título(s) alternativo(s): Your own life: effects of reality and sincerity in the autofiction of Julián Fuks and Karl Ove Knausgård
Autor(es): Silva, Camilo Gomide Cavalcanti
Primeiro Orientador: Oliveira, Maria Rosa Duarte de
Resumo: Este trabalho tem por finalidade analisar os efeitos de real e de sinceridade nas autoficções A resistência, do escritor brasileiro Julián Fuks, e Minha luta, do escritor norueguês Karl Ove Knausgård. Esses autores contemporâneos buscam, nessas obras, uma nova forma de expressão realista. Ambos partem de um desinteresse por ficções tradicionais, com enredos e personagens fictícios, e optam por escrever sobre a própria vida, por encontrarem, no material autobiográfico, uma maior legitimidade. A autoficção é um neologismo criado na década de 1970 para definir a prática, que se popularizou entre alguns escritores interessados em narrar sua própria história. Embora seja marcada pela contaminação inevitável da ficção, muitos autores têm encontrado no gênero um meio de buscar novos efeitos de real e de autenticidade. Esta pesquisa pretende entender como esses escritores forjam essas impressões, a partir de uma matéria sabidamente falível como a memória. Os fundamentos teóricos da investigação têm, por ponto de partida, as análises seminais de Michel Foucault a respeito das escritas de si e o estudo de Jean Starobinski sobre as Confissões, de Rousseau. No campo literário, alicerçam a pesquisa os estudos de Roland Barthes sobre o realismo e os limites da representação, além de outros teóricos que se dedicam à questão da autobiografia e da autoficção, como Lejeune (2014), Doubrovsky (1977) (o inventor do termo autoficção) e pesquisadores contemporâneos como: Schøllhammer (2009), Klinger (2012), Faedrich (2016) e Perrone-Moisés (2016). A conclusão da pesquisa é a de que tanto Fuks quanto Knausgård encontram na autoficção uma forma de comprometimento maior com a literatura. A diferença, no entanto, é a de que, em A resistência, o efeito de real advém da desconfiança permanente do narrador sobre o próprio relato; e, em Minha luta, este efeito provém da confissão corrosiva do narrador, que se identifica profundamente com o autor
Abstract: This work aims to analyze the effects of reality and sincerity in the autofictions A resistência, by Brazilian writer Julián Fuks, and Minha luta, by Norwegian writer Karl Ove Knausgård. These contemporary authors seek a new form of realistic expression in their works. Both start from a lack of interest in traditional fiction, with fictional plots and characters, and choose to write about their own life, finding greater legitimacy in the autobiographical. Autofiction was coined in the 1970s to define a practice which became popular among writers interested in telling their own story. Although it is inevitably contaminated by fiction, many authors have found in this genre a means of seeking new effects of reality and authenticity. This research intends to understand how these writers forge these impressions from something so notoriously fallible as memory. The theoretical foundations of this research have, as a starting point, the seminal analyses of Michel Foucault on the writings of the self and the study of Jean Starobinski on the Confessions of Rousseau. From the literary field, Roland Barthes’ studies on realism and the limits of representation are considered, as well as other theorists dedicated to the themes of autobiography and autofiction, such as Lejeune (2014), Doubrovsky (1977) (who coined the term autofiction) and contemporary researchers such as Schøllhammer (2009), Klinger (2012), Faedrich (2016) and Perrone-Moisés (2016). The conclusion of this research is that both Fuks and Knausgård find, in autofiction, a form of greater commitment to literature. The difference, however, is that in A resistência, the effect of reality comes from the narrator’s constant suspicion of his own narrative; and in Minha luta, this effect comes from the corrosive confession of the narrator, who deeply identifies with the author
Palavras-chave: Autoficção
Efeito de real
Fuks, Julian [1981- ] - Crítica e interpretação
Knausgard, Karl Ove [1968- ] - Crítica e interpretação
Autofiction
Effect of reality
Fuks, Julian [1981- ] - Criticism and interpretation
Knausgard, Karl Ove [1968- ] - Criticism and interpretation
CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::TEORIA LITERARIA
Idioma: por
País: Brasil
Editor: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da Instituição: PUC-SP
metadata.dc.publisher.department: Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes
metadata.dc.publisher.program: Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária
Citação: Silva, Camilo Gomide Cavalcanti. A própria vida: efeitos de real e de sinceridade nas autoficções de Julián Fuks e de Karl Ove Knausgård. 2017. 81 f. Dissertação (Mestrado em Literatura e Crítica Literária) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/20599
Data do documento: 30-Out-2017
Aparece nas coleções:Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Camilo Gomide Cavalcanti Silva.pdf983,48 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.