???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/22987
Tipo do documento: Tese
Título: Imagem ancestral brasileira: análise das imagens rupestres mineiras da Tradição Planalto à luz de uma teoria da imagem - (10.000 - 3.000 anos A.P.)
Autor: Viviani, Ana Elisa Antunes 
Primeiro orientador: Baitello Junior, Norval
Resumo: O objetivo desta pesquisa é analisar os registros rupestres mineiros da tradição Planalto, cujas datações variam de 10.000 a 3.000 anos antes do presente (A.P.), localizados em três regiões do Estado: Lagoa Santa, Santana do Riacho e Diamantina (Serra do Espinhaço). Nossa investigação procurou compreender os motivos que teriam levado à mudança dos aspectos formais das imagens ao longo do tempo, que passaram de traços mais figurativos para mais estilizados, e também os aspectos temáticos, que em tempos recuados praticamente se resumiam a imagens isoladas de cervos e peixes, aos quais, depois, foram acrescentados outros seres, inclusive figuras humanas, ganhando contextos aparentemente narrativos. Para isso, este trabalho contou com as pesquisas que desde a década de 1970 analisam os vestígios arqueológicos dessas três regiões, o que nos permitiu reelaborar o ambiente físico e psíquico de criação das pinturas parietais mineiras. As imagens rupestres são tradicionalmente investigadas pela arqueologia, que as interpreta de acordo com o rigor metodológico e as teorias dessa ciência. Neste trabalho, propomos analisá-las à luz da Antropologia da Imagem, de Hans Belting, que compreende a imagem como resultado de uma relação entre o corpo e o meio. Por sua vez, dada a importância que o meio ou ambiente assume nessas condições, recorremos à Teoria da Cultura do semioticista Ivan Bystrina. Segundo ele, as imagens pertencem a uma realidade distinta daquela instrumental, pois ela emerge dos momentos de imaginação e dos sonhos, mas também das variantes psicopatológicas e dos estados de êxtase. A pesquisa contou com visitas à região de Lagoa Santa e Santana do Riacho para elaboração de trabalho fotográfico, o que nos possibilitou refletir sobre a relação de proximidade e distância proporcionada pelas pinturas rupestres, semelhante ao modo como Walter Benjamin se refere ao valor de exposição da obra de arte. Outras imagens de material bibliográfico e de sites da internet também foram utilizadas. Por fim, a análise se inspirou no modo como Aby Warburg organizava as imagens estudadas a fim de elaborar reflexões sobre elas. Assim, foi possível perceber que as imagens rupestres mineiras não são apenas representações pictóricas, mas, sim, mobilizadoras de sonhos e memórias que com o passar do tempo foram sendo plasmadas na parede da rocha sob a forma de narrativas míticas
Abstract: This research aims to analyze the figurative forms on the rock surfaces in the Planalto tradition, Minas Gerais, Brazil, which dates from 10,000 to 3,000 years BP, located in three regions of the State of Minas Gerais: Lagoa Santa, Santana do Riacho and Diamantina (in Serra do Espinhaço). The investigation sought to understand the reasons that would have led to the change in the formal features of these parietal wall and cave images over time, from more figurative to more stylized as well as thematic features. In earlier times, this feature-changing phenomenon boiled down to isolated images of deer and fish to which other beings, including human figures, were later added, gaining seemingly narrative contexts. To this end, this work relied on research developed in Brazil since the 1970s that has analyzed the archaeological remains of these three regions, which allowed us to re-elaborate the physical and psychological environment of the creation of Minas Gerais parietal paintings. Rock art is traditionally investigated by archeology, which interprets it according to the methodological accuracy and theories of its scientific field. Here, the goal is to analyze parietal paintings using Hans Belting's Anthropology of Image, which is an approach that understands any image as a result of a relationship between the human body and the kind of medium that conveys the image. In turn, given the importance that the environment or the medium assumes under this new point of view, the Theory of Culture of semiotician Ivan Bystrina is cast as complementary analytical support for the investigation. According to Bystrina, images belong to a human existential reality different from the instrumental one, since it emerges from the moments of imagination and dreams, and also from the psychopathological variants and states of ecstasy that humans might experience through life. The research included visits to the region of Lagoa Santa and Santana do Riacho for photographic work, which allowed us to reflect on the relationship between the experiences of proximity and distance provided by rock art, similar to the way Walter Benjamin refers to the exhibition value of the works of art. Other rock art reproductions from reference material and websites were also used. Finally, the analysis was inspired by Aby Warburg's thoughts on how to organize and study images so that new and authentic reflections on them could be elaborated. Thus, it was possible to realize that the images from the Paleoindian and Archaic Period in the Planalto tradition, located in Minas Gerais, depicted not only animals and other beings but also mobilized dreams and memories that, over time, were being shaped on the rock wall in the form of mythical narratives
Palavras-chave: Pinturas rupestres - Minas Gerais
Imagem (Filosofia)
Ambientes imanentes das imagens
Rock paintings - Minas Gerais (Brazil)
Image (Philosophy)
Images immanent environment
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica
Citação: Viviani, Ana Elisa Antunes. Imagem ancestral brasileira: análise das imagens rupestres mineiras da Tradição Planalto à luz de uma teoria da imagem - (10.000 - 3.000 anos A.P.). 2020. 181 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2020.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/22987
Data de defesa: 13-Feb-2020
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ana Elisa Antunes Viviani.pdf6,41 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.