REPOSITORIO PUCSP Teses e Dissertações dos Programas de Pós-Graduação da PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/3243
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorYwata, Ricardo Kiyoji-
dc.contributor.advisor1Wanderley, Luiz Eduardo Waldemarim-
dc.date.accessioned2016-04-26T14:52:42Z-
dc.date.available2009-06-18-
dc.date.issued2005-08-29-
dc.identifier.citationYwata, Ricardo Kiyoji. A Alca na percepção do empresariado brasileiro: desafios e possibilidades. 2005. 141 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.por
dc.identifier.urihttps://tede2.pucsp.br/handle/handle/3243-
dc.description.resumoO objetivo deste trabalho é apreender a percepção do empresariado brasileiro sobre a proposta de integração hemisférica, a ALCA (Área de Livre Comércio das Américas). Para se alcançar o objetivo proposto, foram escolhidas três associações de classe, cada uma representando um setor da economia: Confederação Nacional da Agricultura e da Pecuária (CNA), pelo setor agrícola; Confederação Nacional da Indústria (CNI), pelo setor industrial; Federação Brasileira de Bancos (Febraban), pelo setor bancário. Estas associações foram escolhidas em razão da representatividade e referência na opinião pública e no setor específico, e foram também complementadas por outras de relevância, a saber: Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), no caso do setor industrial, e a Sociedade Rural Brasileira (SRB), no setor agrícola. Como fonte primária de dados, foram analisados os seguintes periódicos, publicados pelas associações, entre 2001 e 2004: Gleba (CNA), Comércio Exterior em Perspectiva (CNI) e Notícias (Febraban). Secundariamente, foram utilizados alguns dos principais jornais da grande imprensa: Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. Pela pesquisa, constatamos que a percepção (positiva ou negativa) de cada associação, sobre a proposta de integração hemisférica, depende do grau de competitividade apresentado pelo setor representado. Assim, setores mais competitivos tendem a perceber a ALCA como altamente benéfica e, inversamente, setores menos competitivos tendem a percebê-la com ressalvaspor
dc.description.sponsorshipnenhum-
dc.formatapplication/pdfpor
dc.thumbnail.urlhttp://tede2.pucsp.br/tede/retrieve/11812/Integral%20.pdf.jpg*
dc.languageporpor
dc.publisherPontifícia Universidade Católica de São Paulopor
dc.publisher.departmentCiências Sociaispor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsPUC-SPpor
dc.publisher.programPrograma de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociaispor
dc.rightsAcesso Restritopor
dc.subjectintegração regionalpor
dc.subjectintegração hemisféricapor
dc.subjectÁrea de Livre Comércio das Américas (ALCA)por
dc.subjectEmpresas - Brasilpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADASpor
dc.titleA Alca na percepção do empresariado brasileiro: desafios e possibilidadespor
dc.typeDissertaçãopor
Aparece nas coleções:Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Integral .pdf
  Restricted Access
777,33 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.