???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/4474
Tipo do documento: Tese
Título: Mídia e terror: a construção da imagem do terrorismo no jornalismo
Autor: Paiero, Denise Cristine 
Primeiro orientador: Baitello Junior, Norval
Resumo: A presente pesquisa investiga de que forma a mídia jornalística repercute, reforça e amplia a imagem dos atos terroristas no Séc XXI. Analisa ainda como os chamados terroristas se utilizam do jornalismo como ferramenta e montam seus atos a partir de algumas tendências da cobertura da mídia contemporânea. O principal problema aqui é: como o terrorismo se utiliza dos meios de comunicação de massa para ampliar o estado de terror, potencializando as ações terroristas? Nossa hipótese é que os chamados terroristas se apropriam de algumas tendências da mídia, como a espetacularização, a maniqueização e a homogeneização do conteúdo e se apoiam em elementos primordiais da cultura para elaborar suas ações. Por sua vez, ao cumprir sua obrigação de informar, dentro do contexto de jornalismo-espetáculo, o jornalismo se subordina a essa estratégia, ajudando a alimentar o discurso posterior do terror e a sensação de força ameaçadora. Esta tese aborda, portanto, o ambiente comunicacional que se forma entre terrorismo imprensa sociedade e sua complexa relação. Para isso, utiliza conceitos da Semiótica da Cultura, que tem como principal representante o autor Ivan Bystrina, e da Teoria da Mídia, que apresenta como principal expoente o jornalista e comunicólogo alemão Harry Pross. A partir dessas teorias-base, trabalhamos com elementos da arqueologia da mídia, a fim de entender as estruturas mais primárias que estão presentes na construção, na repercussão e na assimilação de atos terroristas. O presente trabalho objetiva trazer à tona as estruturas simbólicas que estão por trás do discurso do terrorismo, a fim de transformá-lo em fato noticiável e também como a mídia jornalística repercute e amplia esses atos, seja pela repetição das informações, seja pelo tratamento dado a essas questões. Entende-se que, nesse ambiente de comunicação, há uma realimentação constante entre o agente da notícia e a mídia jornalística. Para esta investigação são utilizados grandes atos terroristas de nossa época, focando os de maior repercussão, como os atentados de 11 de setembro de 2001 nos EUA, os de 07 de julho de 2005 em Londres e os de 11 de março de 2004 em Madri. No Brasil, é analisado o episódio que ficou conhecido como o Dia do PCC , que aconteceu em 15 maio de 2006 em São Paulo. A revista Veja e o jornal Folha de S. Paulo são as principais fontes documentais para nossas análises. Em alguns momentos utilizamos também outras publicações, nacionais e estrangeiras, como material de trabalho
Abstract: This research investigates how the news media influences, strengthens and enlarges the image of the terrorist acts in the 21th century. It also analyzes how the so-called terrorists use journalism as a tool and how they plan their acts based on certain trends of contemporary media coverage. The main problem here is: how terrorism uses the mass media to extend the state of terror, broadening terrorist actions? Our hypothesis is that the so-called terrorists get hold of some tendencies of the media, like the spectacle, the manichaeism and the homogenization of content, and rely on key elements of culture to develop their actions. In turn, to fulfill its obligation to inform, within the context of journalism-spectacle, journalism is subordinated to that strategy, helping to feed the subsequent discourse of terror and the feeling of menace. This thesis approaches the communication environment formed between terrorism - press - society and its complex relationship. It uses concepts of Semiotics of Culture, whose main representative is the author Ivan Bystrina, and Media Theory, from the german communicologist and journalist Harry Pross. Based on these theories, we work with elements of the archeology of media in order to understand the most elementary structures that are present in construction, impact and assimilation of terrorist acts. This paper aims to bring out the symbolic structures that underlie the discourse of terrorism in order to turn it into newsworthy facts, and also how the news media echoes and amplifies these acts, either by repetition of information, either by how these questions are treated by journalists. It's a known fact that in this communication environment, there is a constant feedback between the news agent and the media itself. For this investigation we used the major terrorist events of our time, focusing on the most influential, as the attacks of September 11th, 2001, in the U.S., of July 7th, 2005, in London, and of March 11th, 2004, in Madrid. In Brazil, we focused on the episode known as the "Day of the PCC", which happened on May 15th, 2006, in São Paulo. Veja magazine and the newspaper Folha de S. Paulo are the main documental sources for our analyzes. We also used other media, national and foreign, as working material
Palavras-chave: Semiótica
Mídia
Imagem
Jornalismo
Terrorismo
Violência
Semiotics
Media
Image
Journalism
Terrorism
Violence
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Comunicação
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica
Citação: Paiero, Denise Cristine. Mídia e terror: a construção da imagem do terrorismo no jornalismo. 2012. 259 f. Tese (Doutorado em Comunicação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/4474
Data de defesa: 4-Dec-2012
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Denise Cristine Paiero.pdf12,59 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.